Pan dulce | Pão doce mexicano

Pan dulce ("pão doce") O pão doce do México.

Um dos primeiros alimentos não-nativos
que foi introduzido no México pela Espanha
foi o trigo, uma necessidade religiosa espanhola.
Imagem: http://panifico.com/sueet-stories/pan-dulce-delicious-history-delicious-culture/

A criação de pão doce foi influenciada
pelos franceses e espanhóis que foram os que
introduziram produtos cozidos, como
rotinhos crocantes, baguetes e doces
para o México.

Isso inspirou os povos indígenas a criar diferentes tipos de pães,
tais como besos, conchas e cuernos entre outros.
O pão é considerado um dos deleites mais baratos do México
e é consumido diariamente como café da manhã ou jantar tardio,
conhecido como merienda.

Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Pan_dulce

Chifre de boi | Banana comprida | Banana da terra.

Conheça os seus benefícios e aprenda receitas.

A banana da terra, também conhecida
como “chifre de boi” ou “banana comprida”,
é uma espécie bastante cultivada no Brasil e se enquadra
na posição de maior banana entre todos outros tipos,
podendo pesar até 500 gramas a unidade
e medir até 26 centímetros.

Por ser bastante benéfica à saúde, ela amplamente utilizada
em algumas regiões brasileiras no preparo de pirão
ou como complemento principal das refeições em sua versão
frita ou assada, que é de dar água na boca!
Imagem: http://www.banana.blog.br/banana-da-terra/

Afinal, qual é a diferença desta espécie para as demais
variedades de bananas encontradas na natureza?
Vem comigo que eu te conto tudo isso e ensino como
preparar algumas receitas fáceis e saborosas utilizando a fruta.

Com certeza, o maior benefício da banana da terra
está na grande quantidade de vitaminas A e C e potássio
(cerca de 462 mg por cada 100 gramas de fruta)
presentes em sua composição.
Por seu alto teor de nutrientes
essenciais ao organismo humano, essa variedade
é considerada a mais benéfica à saúde,
podendo trazer os seguintes efeitos ao corpo:
Saiba mais sobre a banana da terra.

Fonte: http://www.banana.blog.br/banana-da-terra/

Thieboudienne | Ceebu Jën | Arroz com peixe

Thieboudienne (Ceebu Jën, na língua nativa), é considerado
o prato nacional e que consiste em peixe recheado com legumes
e acompanhado com outros como quiabos e beringela.

Imagem: http://www.africanbites.com/thieboudienne-ceebu-jen-poisson-au-riz/

Ceebu Jën (grafia em wolof), também grafado “thiéboudienne
e pronunciado “tchê-bu-djene”, que significa “arroz com peixe”,
é por vezes considerado o prato nacional do Senegal.

A sua preparação compreende três etapas: fritar peixe,
fresco e seco ou fumado, que foi previamente recheado com “roff”;
cozinhar vegetais, mais importante o tomate,
usando o óleo de fritar o peixe; e cozer arroz no molho
em que cozeram os vegetais. Pode dizer-se que é uma espécie de pilaf africano.

Receita:
Preparar o “roff” com pimento, cebola e alho picados,
ervas aromáticas (salsa, louro, coentro), malagueta e óleo,
se necessário, para fazer uma pasta; rechear os peixes.

Fritar os peixes recheados em óleo de cozinha
ou óleo de palma (para aumentar a cor) e retirá-los do óleo.

Juntar ao óleo cebola cortada, bastante tomate, cenoura,
mandioca, batata ou inhame cortados,
e água suficiente para cozer os tubérculos;
deixar em fogo brando até ficarem macios; juntar verduras,
como folhas de qualquer planta comestível,
repolho, quiabo, abobrinhas (“courgettes”), beringela,
colocar por cima o peixe frito, tapar
e deixar cozinhar em fogo brando.

Retirar para outra panela o líquido suficiente para cozer o arroz,
que deve ficar bem vermelho e com uma fina crosta agarrada
ao fundo da panela; quando estiver cozido, deita-se num (ou vários)
prato de servir, junta-se a crosta do arroz, o “xooñ”,
e por cima e à volta, o peixe e os vegetais;
guarnece-se com salsa picada e pedaços de lima.
Serve-se com “jus de bissap” (refresco de chá de hibisco)
e termina-se a refeição com chá verde com hortelã.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Thieboudienne

Restaurantes, botecos e Botequins

Restaurantes, botecos e Botequins da Ilha de Paquetá.

Conheça os restaurantes, hotéis, pousadas,
bares, botecos, botequins e quiosques.
Saiba onde comer. Localização e dicas.
Clique: Fique por dentro e divirta-se
Venha passar momentos agradáveis em um ambiente familiar.
Suítes com banheiro privativo, TV, Wi-Fi,
ar refrigerado, ventilador, frigobar e café da manhã.
Oferecemos ainda: sala de refeições com toda a infraestrutura.
Seja Bem-vindo! Visite Jorge Capadócio Estalagem

Linguiça calabresa | Linguiça apimentada com pimenta calabresa

Linguiça calabresa é um tipo de linguiça
condimentada com pimenta calabresa.

Imagem: http://friozer.com.br/site/index.php/linguica-calabresa

Foi criada no Brasil, mais especificamente no bairro paulistano do Bixiga,
por imigrantes da Itália que se inspiraram
em uma linguiça encontrada da Calábria (Salsiccia di Calabria).
Essa linguiça é muito apreciada como cobertura para pizzas.

No Brasil, a Instrução Normativa N.º 4/2000 do Ministério da Agricultura
definiu a classificação em algumas variedades de linguiça, dentre as quais
as calabresa. Tal norma a define como, feito exclusivamente de carne suína,
curado, adicionado de ingredientes, devendo ter o sabor picante
característico da pimenta calabresa submetidas
ou não ao processo de estufagem
ou similar para desidratação e ou cozimento,
sendo o processo de defumação opcional".

Fonte:https://pt.wikipedia.org/wiki/Lingui%C3%A7a_calabresa
Conheça Jorge Capadócio Estalagem, a sua Pousada em Paquetá.

Coxinha | Um salgadinho brasileiro

A coxinha é um salgadinho brasileiro, de origem paulista,
também comum em Portugal, feito com massa de farinha de trigo
e caldo de galinha, que envolve um recheio elaborado
com carne temperada de frango, queijo, calabresa
ou vários outros tipos de sabores.



Imagem: https://minilua.com/como-surgiu-coxinha/

A coxinha, tal qual em sua forma atual, tem sua origem no século XIX,
na região da Grande São Paulo, no estado de São Paulo.
Segundo historiadores da alimentação, a coxinha foi desenvolvida
durante a industrialização de São Paulo, para ser comercializada
como um substituto mais barato e mais durável às tradicionais
coxas de galinha que eram vendidas nas portas de fábricas.

De São Paulo, a receita rapidamente se espalhou
pelo restante do estado e logo do Brasil, já sendo popular
no Rio de Janeiro e no Paraná na década de 1950.
Saiba mais sobre a coxinha
um salgadinho brasileiro


Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Coxinha